sábado, 30 de outubro de 2010

Eleições e a morte do Jornalismo

Domingo (31) é dia de plantão. Começa cedo, às 6h30, para acompanhar o voto do presidente Lula. E é um baita tumulto, empurra-empurra, um monte de jornalistas, fotógrafos, programas de humor, curiosos, admiradores do presidente... tem de tudo. Mas, mesmo assim, será um dia de alívio. Terminam, enfim, as eleições presidenciais de 2010.
O alívio não é porque foi um período de muito trabalho, mas pela triste cobertura de boa parte da imprensa sobre as eleições. Muitos (a maioria) foram partidários e desonestos. Publicaram mentiras e até negaram verdades em favor de suas preferências políticas. Foi a cobertura de eleições mais vergonhosa que já vivi.
Josmar Jozino, grande amigo e repórter de mão cheia, sempre que me encontra diz a seguinte frase: "O jornalismo morreu. Tá enterrado". Sou obrigado a concordar. Só espero que o coitado do jornalismo brasileiro ressuscite, a partir de segunda-feira.

Um comentário:

  1. Caro xará, nosso fazer, o fazer idôneo e competente, virou trabalho de formiga. Persigamos sempre isso, que tá bom demais. Talvez amenize a nossa frustração. Parabenizo-o pela cobertura sempre séria. Exemplar. Um grande abraço

    ResponderExcluir