quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

O desrespeito sem limite

Nos últimos dias foram muitas matérias sobre pessoas atropeladas por motoristas sem carteira de habilitação ou gente que insiste em beber e dirigir. É sempre difícil assistir de tão perto a dor das pessoas sem poder fazer nada. O pior momento de todos aconteceu na segunda-feira (dia 12). Uma professora, de 33 anos, sem carteira de motorista, atropelou e matou Rian Dias Ventura, de 3 anos. Fomos até Mauá, no ABC Paulista, fazer a reportagem.
Rian estava sendo velado numa pequena igreja evangélica. Na porta, a tia dele conversou conosco. Um outro parente perguntou se nós gostaríamos de entrar e gravar o menino do caixão. Na hora, respondi que não. O avô dele, segurando o choro, chegou perto de mim, abriu a carteira, pegou uma pequena foto 3x4 e disse: - "Toma esta foto dele. Grava aqui, não mostra ele na tevê todo machucado..."
Respondi a ele que nunca mostraríamos e que nós não iríamos nem entrar no velório. Nada nem ninguém pode obrigar um repórter a fazer o que não é certo. Logo depois, o caixão com Rian foi retirado da igreja para ser levado ao cemitério. Pela primeira vez, em 17 anos de profissão, abaixei a cabeça e não consegui olhar. Voltei pra casa destruído. No dia seguinte, logo cedo, assisti na televisão de casa a imagem do velório de Rian num telejornal de outra emissora. Do jeito que o avô dele não queria.

3 comentários:

  1. QUERIDO FÁBIO
    MEU AMIGO ESSA LEI SECA NÃO ADIANTA NADA,OLHA A PESSOA SÓ APRENDE QUE BEBER E DIRIGIR SÓ TRAZ TRAGÉDIA QUANDO A PESSOA PASSAR PELA TRAGÉDIA,AI SIM QUE ELA APRENDE QUE BEBIDA E DIREÇÃO SÓ TRAZ DESGRAÇA.

    ResponderExcluir
  2. Meus parabéns pela sua atitude.
    Ética nesta vida é tudo.
    Que você continue crescendo mais e mais como o grande profissional que é.

    ResponderExcluir
  3. nossa fiquei muito triste com esse acontecimento!!
    Geovana--escola'jardim cruzeiro' mauá

    ResponderExcluir